quinta-feira, março 24, 2011

O Meu Time é a Alegria da Cidade!



Meus filhos nem nasceram ainda, mas, o fanatismo que me cerca não me deixa pensar em outra possibilidade, a não ser ter um filho Palmeirense.
Nessa noite eu me lembrei dos motivos do meu fanatismo, da minha paixão pelo Palmeiras.
Meu avô, que só não jogou no Verdão porque minha avó pediu para ele decidir: ou o casamento ou o Palmeiras, ouvia todos os jogos pelo rádio, mesmo se passasse na televisão. E eu com ele, quietinho.. 
Sempre ligado na rádio Globo, ouvia Osmar Santos e seus bordões fantásticos na cozinha, e o horário das 16h era sagrado pra nós.
Eu tinha uns 6 anos, era uma época em que o Palmeiras não ganhava nada, tinha jogadores horríveis e times medonhos, mas pra mim, aquilo não importava. 
O mais importante era a proximidade que surgia naqueles momentos.
Durante a semana, pra chegar na casa do meu avô cheio de assuntos, lia, via e ouvia tudo sobre esportes.
E com meu pai, eu dormia ouvindo José Silvério e o Terceiro Tempo do Milton Neves, imaginando quando ia ver o Palmeiras ser campeão. (Só vi com 13)
Graças ao dia 12 de junho de 1993, os Palmeirenses comemoram mais do que o dia dos namorados.
Neste dia, tudo fez sentido, os jogos com meu avô, o Terceiro Tempo com meu pai, as vezes que chorei, briguei na escola, perdi o sono.
Mal sabem eles, mas o motivo maior de ter escolhido a profissão de jornalista foram estes momentos.
Ao meu filho que ainda irá chegar, desejo saúde, paz, e que ele seja como seus antecessores: honesto, zeloso com sua família, bom caráter e muito Palmeirense.

Na voz de José Silvério,  o dia em que tudo fez sentido.



2 comentários:

borbbolletta disse...

Poxa, chorei. Tantos e tantos textos lindos que vc escreve e eu resolvo chorar justo nesse texto!

Nem consigo comentar mais...

Só não esqueça que te amo e que tenho muito orgulho de vc.

Léo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.