domingo, junho 05, 2011

I'll be there for you. 'Cause you there for me too...




A vida me ensinou que a maioria das amizades vem, e vão embora, com a mesma facilidade. Aliás, todos nós sabemos disso. O amiguinho da escola, a coleguinha do inglês, o brother da faculdade, o parceiro de trabalho. Raras, são as amizades que o tempo eterniza. E eu tenho algumas delas. A verdade é que, por muito tempo eu afastei de mim todos os meus amigos. Com atitudes egoístas, julgamentos precipitados e uma vida sem rumo, fui colecionando hematomas nos corações de meus amigos. 
Depois que eu conheci a San, amadureci demais, como se cada dia deste último ano, valesse por um mês. Fui me tornando uma pessoa melhor. No meu cartão de visitas, a frase em caixa alta já mão era: "Leo Pollisson. Um péssimo ser humano, um amigo meia-boca."
Não que eu ligue sempre para meus amigos, ou retorne TODAS as suas ligações, mas comecei a fazer minha parte com aqueles, que, deixaram minha vida um pouco melhor nos piores momentos. Ainda não deu tempo de fazer isso com todos, mas eu chego lá.
Eu media uma amizade por quantas vezes uma pessoa te ligava, ou a quantas festas ele te chamava, quantas cervejas ele te pagava, ou quantos elogios ele te fazia. 
Os amigos verdadeiros não tentam por colocar você pra cima, mas tentam fazer você enxergar, porque você está lá embaixo.
Nem, tampouco, te garantem que "tudo vai ficar bem". Na verdade, o amigo verdadeiro, estará ao seu lado, caso não fique tudo bem.
Uma amizade verdadeira, o tempo não leva, os dias não apagam, a distância não separa.
No casamento do André, encontrei amigos que não via há anos. E como é engraçado, a sensação é de te-los visto no dia anterior.
Ontem, fomos na nova casa do Andre e da Carla, que se casaram ha quase um mês. Nesse encontro, estávamos eu e o Rafa, amigos desde 1987. Eu e o Celso, amigos desde 1995. A Carla, amiga desde 1997 e a Val, namorada do Celso desde 2007, se eu não me engano. A San, não foi, estava com , amiga/irmã de longa data.
Todos nós já ficamos, em determinadas épocas, um bom tempo separados. Um namorou, outro casou, separou, um namoro terminou, voltou, e eu, bem, eu na minha época de rebeldia, não atendia o celular. Porque queria me isolar, ou sair com alguém que me colocasse pra cima, ou que me garantisse que "tudo ficaria bem".
A Maria Carolina, irmã do André me ligou ontem, para rir do bilhete que eu deixei em seu quarto. Coisas de criança, que eu faço com a Carol, desde que eu a conheci, no auge de seus 13 anos.
Meu tio Oélio me disse um dia: "Amizades são verdadeiras enquanto a convivência é diária. Depois, esquece, você fica só com a família mesmo."
A San está falando com a Dulce. Amiga "virtual", uma graça de pessoa. É a primeira vez que elas se falar pelo celular, graças aos planos mirabolantes das operadoras de telefonia móvel. Nesse momento, estão falando sobre suas vozes, seus sotaques e as impressões que elas tinham antes da ligação.
Algumas situações me fizeram acreditar, cegamente, que meu tio estava certo. Mas o dia de ontem, com a alegria de estarmos juntos, na casa nova dos recém-casados, me deu a impressão que meu tio se enganou. Os papos de trabalho, novelas e coisas que eu nunca vou gostar, vão continuar para sempre...Eles são assim. Meu jeito chato, de sempre discordar do sabor da pizza, reclamar da novela deles, e sempre ir embora de repente, também...Eu sou assim, nós, somos assim.
Pensei nisso enquanto vinha pra casa da Sandra, na madrugada, só pra passar a noite com ela, com os gatos e com a Peggy e acordar já no meu lugar preferido de todo o mundo. Amizades virtuais não existem. No caso delas, é uma amizade verdadeira, mas se manifestas por contatos virtuais. Ouvindo a alegria na voz da minha mulher, com conversas sobre tudo, e sobre nada com a Du, me deram a certeza, que amigos, são irmãos, que Deus põe em nossa vida e que o tempo não leva, os dias não apagam, a distância não separa..
Desculpe tio..

2 comentários:

Sandra disse...

Seus melhores textos são escritos na minha casa.

Vc precisa escrever mais daqui! rs...

Amyway... fiquei muito feliz por ter conversado com a Du. E tb por vc ter falado com ela. E fico feliz qdo vejo vc feliz ao lado dos seus amigos. You simply shine!

Te amo!!

San

Du disse...

Tô pensando até agora em tudo que a Sis me falou, não consigo dormir e preciso acordar muito, muito cedo... mas nada disso importa agora. O que importa mesmo é já ter conversado com a San antes mesmo de ter falado de verdade com ela. O que importa é que já ouvi a risada dela antes de hoje, em algum lugar escondido no passado. O que importa é que esse encontro com a San não passa de um reencontro. Hoje tive certeza. E adorei falar contigo também Léo! Tô feliz...