quarta-feira, outubro 12, 2011

Why can't we be friends?




Nunca fui um cara de muitos amigos. Mas por causa do meu jeitão, brincalhão, carinhoso, companheiro e meio despojado, acabei me tornando um cara com um certo prestígio e popularidade por onde eu passei. Escola, empresas, faculdade, o samba, enfim, a vida, sempre me colocou perto de onde a muvuca, a galera mais popular, a turma do fundão estava. E sinceramente, sempre convivi bem com isso. Por onde passei sempre tive trânsito livre com todas as tribos: playboys, bandidos, patricinhas, cocotas, roqueiros, pagodeiros, surfistas, hipsters, geeks, emos, e isso me ajudou a ter meu estilo, como diz minha irmã, estilo mix.
Mas sempre existem pessoas que, não importa quanto tempo passe, nos sentimos em casa quando estamos ao lado.
Sábado passado fui ao aniversário do Rafa, meu amigo irmão, há quase 25 anos. Conosco a família dele que é um pouco minha, o pessoal da escola onde estudamos durante 11 anos e os amigos de seus sobrinhos, com 15, 16 anos..Uma nova geração.
Ontem, depois de 6 meses de distância, fui rever meus amigos da B2W. Gente que comeu o pão que o diabo amassou ao meu lado, durante os 2 anos que estive lá. Dividimos alegrias, tristezas, frustrações e dúvidas mesmo com todas as diferenças entre nós, viramos uma família, da qual eu me tornei o paizão, por ser o mais velho. Sai do Groupon, encontrei a Bruninha na Haddock Lobo e fomos rumo a Barueri. Duas horas e meia depois, com trânsito, chuvinha, chegamos. Conversamos, demos risada e me lembrei de como eu era e, ainda bem, sou querido por meus meninos e meninas. Conheci até gente da nova geração, mas que já tinham ouvido falar de mim (??). Algumas coisas mudaram, outras não. O Israel tá ainda mais "homem" e claro, grande parte disso se deve à sua digníssima (não vou citar seu nome, Bacaninha, vai saber..rs), o Xuxa continua uma figurassa, o Denis me enganou durante 2 horas, depois vi que ele é o mesmo doente. Tug, Adriana que foram lá só pra me ver (modesto hein!?). A Ju, continua com o otimismo que contrasta com os companheiros de trabalho. Solange e Patrícia que eu mal tive tempo de conversar enquanto trabalhavamos juntos me atualizaram das fofoquinhas...Erick, meu presidente, continua o mesmo e a Michele, sua esposa sempre ali, firme, com o Cauã no colo..Porquinho!!
E Felipe Omori, novíssima fase, completamente solto e galanteador. Quem diria? Fayola, minha irmã, ficamos meses sem nos ver e parecia que tínhamos nos visto ha meia hora. Javi, el mago, outra figurassa, até emagreceu de tanto trabalhar. A Dea, mesmo doente foi lá tomar sua Coca-Cola quente e ficar no vento. E o mito, Cidão, que agora é modelo..Deus..
Querendo ou não todos eles participaram direta ou indiretamente de uma fase muito difícil da minha vida. Muitos deles, seguraram as pontas quando eu mesmo já tinha desistido e por isso, sempre serão especiais.
Ainda faltou muita gente. Gisele, Michelle, Pipo, Rodrigo, Maria e muitos outros que eu queria rever, mas oportunidades não faltarão.
Sigam firmes ai no CDC, mas não esqueçam: o sol brilha para todos, ficar na sombra é opcional.


Um comentário:

Israel disse...

Não foi daquelas noites que nós queremos que dure para sempre... mas grande parte as pessoas que queremos levar estava lá no meio.
Durou pouco, mas deu pra perceber o quanto a gente te gosta né Lé?
Não foge não, não vai embora não. Na próxima, nem que a galera arraste pra Av. Paulista. O show tem que continuar... rs.
Olha só, poderia ter citado o nome da Bacaninha, ela não ia achar ruim e nem eu. Mas agora vou deixar o mistério que vc começou ué, como você disse: "vai saber" rsrs.
Forte Abraço Paizão.
Saudades de vc e da galera que passou por lá.