sábado, novembro 19, 2011

Under my wings








O destino é mesmo engraçado. Mesmo tendo acordado cedo, não consegui dormir toda a madrugada e não entendia porque. Mas só agora, por volta das 5 da manhã que eu vi o motivo. Retomei uma função que sempre foi só minha, mas que honestamente, minha mente perturbada me fez deixá-la de lado. Sacudi as asas empoeiradas e voltei a ser o anjo da guarda da minha amiga/irmã Carol.
Ela me chamou pelo chat do Facebook, tinha acabado de chegar da festa de 15 anos da prima e tava se sentindo velha. Começamos a conversar  sobre as coisas da vida, idas e vindas, saudades da infância, quando eu perguntei se ela pudesse recomeçar a vida de uma época, qual seria.
" Minha infancia...Quando meu pai era imbatível, minha vó me levava pra passear, minha mãe me pegava no colo e me protegia de todos os monstros que tinham no meu quarto. Meu irmão me dava mamadeira, aliás, na verdade colocava o dedo na minha boca e quando eu acordava e via que não era a mamadeira, lá estava ele morrendo de rir"
E me devolveu a pergunta. "E você?"
"Não sei, acho que até os 15 minha vida era perfeita...depois, sabe se lá porque, eu apanhei demais da vida...Reagi errado, esqueci pessoas, magoei tantas outras. Mas sei lá, pensando melhor, acho que não trocaria não..Quem me garante se eu mudasse alguma coisa, teria vivido as coisas boas que eu vivi?"
Em 2005: Eu com 25 e ela com 19. Que absurdo!
Conheci a Carol quando eu tinha 19 e ela 13, criança, menina de tudo. Hoje ela é um mulherão em todos os sentidos. Linda, inteligente, divertida, carinhosa, enfim, é uma das partes boas da minha vida. Durante muito tempo, fui seu anjo da guarda. Juntos, vivemos muitas coisas: viagens, conversas sérias, outras sobre nada. Nos apoiamos em momentos insuportáveis, nos divertimos em dias inesquecíveis, nos abraçamos em horas memoráveis. Agora eu sei que ela tá em excelentes mãos. O Rafa é um grande cara e talvez por isso minhas asas estão pegando poeira. Mesmo que tempo afaste as pessoas daquele convívio diário da juventude, os sentimentos verdadeiros do coração da gente são eternos. Talvez nada seja como foi um dia, quando tudo era mais fácil, mais adolescente, mas de uma coisa, Carol, você não pode ter dúvida: se um dia precisar do seu irmão mais velho, mais inteligente e mais ranzinza, não esqueça que eu estarei sempre aqui. Enquanto isso, pense grande, voe alto, não tenha medo de cair... 
Seu anjo da guarda, mesmo que muitas vezes de longe, está sempre de olho...


PS: A música é clichêzão, eu sei. Mas são 6h30 da manhã!



Nenhum comentário: