quinta-feira, novembro 24, 2011

What's up, Doc?




20 minutos olhando para essa estante foi foda
Saí do Groupon, andei quase 1km e cheguei no consultório da Dra Marli, para mais uma sessão. Hoje, confesso que não estava muito afim de ir. Tava na vibe de ir ao cinema, tomar uma cerveja, sei lá, fazer alguma coisa que não faço há tempos. Mas quando estava dando uma olhadinha no site do Cinemark, chega um SMS: "Malucão, pode vir, tô esperando. Beijo."Aí tive que ir. 
Cheguei, a Glória abriu a porta, interfonou e eu entrei na sala dela, decorada com belas pinturas, estátuas de bronze, uma estante escura repleta de livros, muitos quadros, fotos do marido e das filhas, diplomas e prêmios. Ela ficou me olhando, talvez meio que para sacar como eu estava. E eu fiquei com cara de tonto, estranhando o silêncio dela.
Ficamos nos olhando durante uns 2 minutos até que ela quebrou o silêncio e me perguntou: 
- E aí, como você tá hoje?
- Normal
- Normal do ser humano ou no seu normal?
- Tem diferença?
- O que você acha?
E caímos na risada...E então ela me disse:
- Sabe, li seu último post, vi suas fotos, acho que te falta uma coisa que você ainda não percebeu.
- O que?
- Um amigo que estenda a mão à você. Você não costuma "pedir ajuda", tanto que a maioria dos seus amigos nem sabe que você anda meio chateado. Hoje, não vou te analisar, te julgar, avaliar, nem nada. Vamos conversar, ver o que você anda pensando, do que você gosta, do que você tá de saco cheio. 
E aí ficamos conversando, como amigos mesmo. Tirei o tênis, sentei no chão e conversamos uns 50 minutos. Ela se levantou, acendeu um cigarro e me perguntou: 
- Tá com fome?
- Tô
- Vamos "tomar um lanche"?
- Vamos
Fomos ao shopping, comemos no The Fifties e passamos na Livraria Cultura. Lá ela foi me indicando uns livros e de repente, me perguntou
- Porque as vezes você escreve coisas tão tristes?
- Não sei, escrevo o que eu tô sentindo...
- Mas não é ruim saber que todo mundo vai ler?
- Não escrevo para os outros, escrevo para mim
- E você nunca apagou nada que escreveu depois que passou a tristeza?
- Não. Gosto de reler e perceber a evolução em alguns aspectos, da involução em outros e da revolução na maioria deles.
- E porque você não conversa com um amigo sobre essas coisas que te incomodam?
- A maioria das pessoas que ouvem essas histórias evitam de me chamar para "tomar um lanche" depois.
- Quer dizer que você acha que somos amigos?
- Se o convênio cobrir amizade, sim
- Mal educado. Você acha que eu te chamei aqui porque quero fazer você se sentir menos sozinho?
- Acho. É mentira?
- É
- Então paga a conta, vamos ver.
- Vai se foder!


Acho que a partir de hoje ganhei uma amiga, ainda que o convênio cubra... 



5 comentários:

Marli disse...

Ah, garoto! Adorei o texto, mesmo com algumas ressalvas quanto à sua educação. E não precisava ter comentado sobre este palavrão ao final do post. Adorei, não adianta, você escreve com o coração. Que os próximos textos sejam com esta carga de humor e sensibilidade.
Beijos e boa noite!

P.S. Mário ficou bravo porque não trouxe um lanche para ele. Vê se pode?

Robson Assis disse...

"Quer dizer que você acha que somos amigos?
Se o convênio cobrir amizade, sim"

Mano, sensacional isso aí. Quando eu começar a tomar coragem pra procurar essa parada, esse é o modelo de ser humano que gostaria de encontrar.

Awesome, dude! Way to go!

Robson Assis disse...

FUUUUUUUUUUUU, postei duas vezes, hahah

Léo disse...

Relaxa..1 eu excluí...Começaram a chegar os emails de comentário e eu pensei: "Caralho, desse ele gostou mesmo."


Dra, valeu pelo comentário e pela sessão, mas o The Fifties a Sul América não cobre, então voltemos à programação normal. Grato..
Brincadeira...rs
Bjo!

Taty Izquierdo disse...

Dra, ele tem amigos. Ele só esquece da gente pra trabalhar. hahahaha

Pergunta se ele me liga?
Pergunta se ele aparece...
Ai de mim se não for saber informações dele...

Puts, acho que descobri um problema: ele não me considera amiga!

Dra, tem horário pra mim no seu consultório!? hahaha

Beijos!!!