sexta-feira, outubro 28, 2011

Time goes by....so fast





Na semana em que mudei meu status de relacionamento na página da vida, cumpri diversos compromissos sociais,  revi os amigos, até pra não mergulhar no ser desprezível que eu me torno em momentos de profunda decepção. Mesmo com tantos babacas falando besteira porque viu minhas fotos no Facebook e achou que eu comecei a "curtir a vida" depois que fiquei solteiro. Come on! 




Baixada a poeira da primeira semana, onde constatei que não tenho mais o mesmo pique de antes, com baladas, festas e afins, voltei a programação normal do meu reality show. A rotina é a mesma, casa, trabalho, casa, sem novidades, exceto pela aquisição da minha câmera nova e o Fifa 12, recentemente adquirido. (Loser)
O tempo passa e cada dia isso fica nítido. Tá, não sou velho, mas não sou mais tão jovem. Trabalhar com gente mais nova, como a estagiária, que com seus 20 anos, as vezes parece falar outro idioma, contribui para que eu veja a magnitude da minha evolução depois que cruzei a faixa dos 30. (ela é uma graça, mas as vezes demoro pra entender o que seria "braseel", "beeisho" e "nhé"). Para ajudar, um vendedor da Hering ajudou neste processo de percepção das coisas . 


Entrei na loja com uma camisa xadrez e disse:
- Cara, quero trocar esta camisa, não serviu. Preciso de uma XG
- Pois não, seria pro seu filho?
- Não...
Depois fiquei pensando...O tempo passa, para mim, para você e para todo mundo. Claro, eu não tenho mais 20 anos, graças a Deus! Curti minha vida intensamente, fiz tudo o que quis e guardo recordações fantásticas desta época: viagens, baladas, encontros, botecos, bebedeiras, sensações que jamais deixarão de existir em minha memória.


A gente evolui e isso é fato. As experiências boas e, principalmente as ruins, devem, ou deveriam, servir de aprendizado para todos. 
Esses dias, sentado com meu cachorro na chácara, (este sim não fica velho, continua uma criança que não para nunca!) o que eu vou fazer agora? Como vou pra balada, viajar com a galera, essas coisas de solteiro? 
Percebi que eu não tenho que fazer o que eu faria com 18, 22, 25, 27..enfim. Essas coisas já não fazem parte da minha vida, meu ritmo é outro. Depois de tanto trabalho durante a semana, penso nos livros que eu tenho para ler, na pilha de DVD's novos que eu não vi, aprender a tirar fotos legais, finalmente aprender a tocar guitarra direito, curtir a gravidez da minha irmã e continuar evoluindo. Sim, eu estava me preparando para casar, não deu, mas a vida não para, mesmo as vezes parecendo que seria bom dar um pause no controle remoto. Mas isso aqui não é "Click", então vou seguindo do meu jeito. Ouvi uma frase uma vez que nunca saiu da minha cabeça: "Seja você mesmo, mas não seja sempre o mesmo."


Bom, vou nessa. Preciso ir pra casa, mas antes, passo no mercado, faço compras, a janta, vejo um filme, tomo uma cerveja e durmo. Amanha, vou cortar o cabelo, depois vou caçar um lugar legal em SP pra tirar umas fotos. Depois, não sei. Se você tiver indo pra balada, quebra um galho? Não me liga..
O cara das fotos iria..rs



terça-feira, outubro 18, 2011

More tea, your Majesty?





Mulher é um ser complicado....Isso é fato. E olha que hoje sou apenas um espectador da história, não vim falar da minha vida, embora argumentos não me faltem. As 3 heroínas que eu namorei nestes quase 32 anos eram as princesinhas do papai e por isso, minha missão era fazer de tudo pra que elas se sentissem bem cuidadas, e acho que não fui tão mal assim. Mas tô aqui pra contar a história do Roger, que, junto comigo, forma a dupla de "dinossauros" do Editorial Brazil Team do Groupon. Lá pelas 20h ele diz que precisa comprar um chá pra sua esposa, a Pri, e chama o único tonto que ele sabe que iria com ele. Obviamente a Pri, como toda mulher, só ficaria feliz se fosse o Chá Twinnings de Baunilha, Mel e Camomila. Se fosse um desses chás de saquinho Mate Leão, provavelmente ela faria um chá de dedo-de-roger. Antes de criticar a Pri, você, mulher que está lendo este texto, sabe que é assim que funciona, e você, homem, mais do que ninguém, sabe que o Roger não tinha opção. Então partimos da esquina da Brigadeiro com a Paulista e fomos ao Shopping Paulista, conversando, rindo e falando das coisas que vivemos em nossa geração e que os homens de hoje nem tem noção.
Gabaritamos o shopping e nada, próxima parada, Extra Brigadeiro. Lá tinha tudo: travesseiro, chá de boldo, chá de sene, chá de chifre de unicórnio, menos a porra do chá da Pri. Próxima parada, Pão de Açúcar da Casa de Campo do Caralho Alameda Santos mais 2 km. Pra vocês pode não ser muita coisa, mas pra dois caras sedentários como nós, parecíamos a velha do quarto andar que mora no prédio do escritório (sério, mora uma velha lá).
Chegando lá, paramos em frente a prateleira dos chás (ia falar gôndola, mas já tava indo comprar chá com um amigo..Gay Enough) vimos uns 5000 tipos de chá, menos o chá da Pri. Ele comprou um parecido e mais um de Canela e Especiarias (sério, onde foram parar os chás que eu tomava?) eu comprei uma cervejinha...
Sentados na calçada enquanto eu bebia minha cerveja na paulista, começamos a conversar sobre essas coisas. Mulheres, relacionamentos e afins. O Roger tá com a Pri há 13 anos e fala dela como se fosse a primeira semana. Falando com ele, entendi mais do que pelas palavras o porque de tanta caminhada sem reclamar. Rimos quando pensamos que alguém pode preferir a vida de solteiro à de casado, ou comprometido. A graça disso tudo é saber que amanhã o chá talvez esfrie na caneca da Pri, mas que o mais importante é a cara dela ao ver o chá na caixinha, mesmo não sendo o que ela queria. Quando a gente ama, fazemos o que não faríamos para nós mesmos, mas não deixamos de fazer pela pessoa que nos recebe com um beijo, um abraço, que nos ouve e cuida da gente como a gente sempre quis.
Eu e a San, mesmo separados, nos falamos diariamente. Ao contar essa história, ouvi uma risadinha e um "Que garota de sorte!". Eu fiquei quieto e pensei nas vezes que eu saí a busca por temakis, barras de chocolate meio amargo com gotas de laranja (isso existe mesmo, na Cacau Show), aspiradores de pó. E retruquei, "Poxa, e você não teve sorte?" ela, sem pestanejar "To esperando minha Melissinha desde março"
Roger, se prepara, essa semana vamos atrás da porra da Melissinha da Sandra!



domingo, outubro 16, 2011

F.R.I.E.N.D.S.





 
Pessoas entram em nossa vida de formas variadas. Vizinhos, laços familiares, gostos comuns, mesmas filosofias, enfim, motivos não faltam para que, de uma convivência normal, formem-se grandes amizades. Mas é na escola que você faz amigos para toda a vida. Uma borracha emprestada, um apontador, uma lição difícil, um lanche dividido, são o pontapé inicial para amizades eternas.
Eu estudei na E.P.S.G. Santa Lucia Fillippini, dos 4 aos 17 anos, de 1984 a 1997 e de lá, vieram minhas amizades mais duradouras.
O Rafa, o Celso, a Tati, que eu vejo com mais frequência e outros com um pouco menos, mas com uma intensidade incrível. Através do Facebook, reunimos um monte de gente que fez parte desta geração de alunos, que poderiam, caso nossa escola fosse americana ou cenário de um seriado, do Hall da Fama de Alunos Notáveis. Nossa turma era a mais descolada, tinha o respeito dos mais velhos e dos mais novos, funcionários, professores, enfim, todos que dividiam o mesmo telhado do colégio.
Tinha gente que eu não via há quase 20 anos, como a Márcia, outros, vi pela última vez na formatura da oitava série, como o Fabinho, o Marco. E o restante, esbarrava por aí nas ruas da Freguesia do Ó.
As risadas, histórias, lembranças e fofocas, surgiram naturalmente. Aquele receio de brincar com uma pessoa que não via há décadas, sumiu na primeira gargalhada. Foi uma das noites mais felizes da minha vida, com as pessoas que eram, e hoje, percebi que ainda são, pilares da minha vida, peças de um lindo quebra-cabeça chamado passado. Cada um seguiu o seu caminho, seu destino, casados, solteiros, pais, mães, não importa.
Hoje, durante algumas horas, éramos os mesmos jovens que passavam por todas as dúvidas, questionamentos e medos que a adolescência demanda. Mas tudo isso era muito pouco, porque tínhamos uns aos outros.
Com lágrimas nos olhos, dedico este texto aos melhores amigos que eu tive na vida. A geração de 84 a 97 da Escola de Primeiro e Segundo Grau Santa Lucia Fillippini.


















sábado, outubro 15, 2011

Nós temos o Groove??








Ontem eu fui para famosa Mega Sexta da empresa, que nada mais é do que uma noite em um buffet com música, bebida, comida, riso e DJ Crepe (piada interna). Não tinha mais o que fazer e fui lá, ver como era esse negócio. Saí da redação as 21h e fui andando até o local, depois de 13 horas de trabalho. Já dificulta..Chegando lá, a galera dançando, música alta, pista cheia e eu observando, de longe, o movimento a minha volta, como se eu nunca tivesse ido pra balada...
Desde as matinês na Playboy, na Freguesia do Ó, lá pra 1995, com a galera da rua, fico observando as mudanças nesses lugares, mas no fim das contas, quem muda é a gente. Em 10 minutos, me deu agonia de ficar naquela zona do caralho, vendo o povo dançando (fazendo passos descoordenados como se fossem um bando de filhos da puta com cólica no estômago)  com um molejo sensacional, já fui para o lado de fora, e a maioria da galera me acompanhou. Assim foi nossa balada, uma roda de amigos do lado de fora, revezando em quem ia buscar a cerveja ou o calzone para os outros. Eu só entrei pra ir ao banheiro, porque, sim, eu sou muito folgado. E as 23h nossa Mega Sexta acabou.
Hoje o pessoal da escola vai fazer um encontro. Nos formamos há 14 anos e desde então, muita gente não se vê. Os caras que estudaram, namoraram, casaram e agora aos 30, separaram, querem ir ao Frangó, um boteco delicioso aqui na e na Boogie para sair para dançar (pra mim, poucas coisas são tão vergonhosas quanto esta expressão..."Sair pra dançar"..enfim)
Eu já tive minha época de balada, bebedeira, bagunça, mulherada, sair pra dançar (sério, acho muito loser) e olha, aproveitei demais. Depois de uma certa idade, eu cansei, passei a curtir a vida escrevendo baboseiras aqui, lendo, vendo filmes clássicos, tomando uma cerveja com amigos em um lugar sossegado, sei lá, é a minha vida. E aí o pessoal da minha idade diz que eu sou velho, Dou risada, afinal, cada um dança conforme a música que escolheu pra sua vida


PS: Provavelmente irei apenas ao Frangó. Com o horário de verão, passar uma hora a mais em uma balada me faria bater em alguém só pra ser expulso



quarta-feira, outubro 12, 2011

Why can't we be friends?




Nunca fui um cara de muitos amigos. Mas por causa do meu jeitão, brincalhão, carinhoso, companheiro e meio despojado, acabei me tornando um cara com um certo prestígio e popularidade por onde eu passei. Escola, empresas, faculdade, o samba, enfim, a vida, sempre me colocou perto de onde a muvuca, a galera mais popular, a turma do fundão estava. E sinceramente, sempre convivi bem com isso. Por onde passei sempre tive trânsito livre com todas as tribos: playboys, bandidos, patricinhas, cocotas, roqueiros, pagodeiros, surfistas, hipsters, geeks, emos, e isso me ajudou a ter meu estilo, como diz minha irmã, estilo mix.
Mas sempre existem pessoas que, não importa quanto tempo passe, nos sentimos em casa quando estamos ao lado.
Sábado passado fui ao aniversário do Rafa, meu amigo irmão, há quase 25 anos. Conosco a família dele que é um pouco minha, o pessoal da escola onde estudamos durante 11 anos e os amigos de seus sobrinhos, com 15, 16 anos..Uma nova geração.
Ontem, depois de 6 meses de distância, fui rever meus amigos da B2W. Gente que comeu o pão que o diabo amassou ao meu lado, durante os 2 anos que estive lá. Dividimos alegrias, tristezas, frustrações e dúvidas mesmo com todas as diferenças entre nós, viramos uma família, da qual eu me tornei o paizão, por ser o mais velho. Sai do Groupon, encontrei a Bruninha na Haddock Lobo e fomos rumo a Barueri. Duas horas e meia depois, com trânsito, chuvinha, chegamos. Conversamos, demos risada e me lembrei de como eu era e, ainda bem, sou querido por meus meninos e meninas. Conheci até gente da nova geração, mas que já tinham ouvido falar de mim (??). Algumas coisas mudaram, outras não. O Israel tá ainda mais "homem" e claro, grande parte disso se deve à sua digníssima (não vou citar seu nome, Bacaninha, vai saber..rs), o Xuxa continua uma figurassa, o Denis me enganou durante 2 horas, depois vi que ele é o mesmo doente. Tug, Adriana que foram lá só pra me ver (modesto hein!?). A Ju, continua com o otimismo que contrasta com os companheiros de trabalho. Solange e Patrícia que eu mal tive tempo de conversar enquanto trabalhavamos juntos me atualizaram das fofoquinhas...Erick, meu presidente, continua o mesmo e a Michele, sua esposa sempre ali, firme, com o Cauã no colo..Porquinho!!
E Felipe Omori, novíssima fase, completamente solto e galanteador. Quem diria? Fayola, minha irmã, ficamos meses sem nos ver e parecia que tínhamos nos visto ha meia hora. Javi, el mago, outra figurassa, até emagreceu de tanto trabalhar. A Dea, mesmo doente foi lá tomar sua Coca-Cola quente e ficar no vento. E o mito, Cidão, que agora é modelo..Deus..
Querendo ou não todos eles participaram direta ou indiretamente de uma fase muito difícil da minha vida. Muitos deles, seguraram as pontas quando eu mesmo já tinha desistido e por isso, sempre serão especiais.
Ainda faltou muita gente. Gisele, Michelle, Pipo, Rodrigo, Maria e muitos outros que eu queria rever, mas oportunidades não faltarão.
Sigam firmes ai no CDC, mas não esqueçam: o sol brilha para todos, ficar na sombra é opcional.


segunda-feira, outubro 03, 2011

E agora, Rafinha?




E o Rafinha Bastos hein? Suspenso do CQC por tempo indeterminado. Há tempos o gaúcho cruzou os limites entre o bom humor e o bom senso. Fez piadas com gordos, feias, estupro, órfãos, enfim, aquelas piadas que até rimos, mas aquela vozinha dentro da nossa cabeça perguna "Humm, isso é realmente engraçado?"
Talvez ele tenha sido o primeiro humorista sem freios da TV brasileira, aquele que não tem limites, medo e nem rabo preso com ninguém. E a cada semana dispara piadas de caráter duvidoso no CQC. Não há como negar que Rafinha Bastos é talentoso. Líder de uma geração de comediantes que tentam, e espero que consigam, sair daquele humor "Casseta-Zorra-Praça É Nossa".
Ao dizer que comeria Wanessa e o filho dela, Rafinha cometeu um erro inadmissível: mexeu com gente que gera muito dinheiro. Além de Wanessa, o clã Camargo, o empresário Marcos Buaiz e de lambuja, seu sócio Ronaldo Fenômeno. E ninguém, eu disse NINGUÉM que precisa de prestígio, fama e um certo nível de camaradagem com pessoas desse calibre, ficaria de braços cruzados numa situação dessas. E com Johnny Saad não seria diferente. O "cara" da Band suspendeu Rafinha Bastos, como fazem na escola, pra ele repensar  um pouco nas coisas que fala no ar. Talvez repense, talvez não.
A carreira de Rafinha pode estar em risco depois dessa. Seus DVD's podem encalhar nas prateleiras, seus shows talvez sejam vistos por meia dúzia de bêbados em sua casa de espetáculos, o Comedians e os mais de 700 comerciais que participou podem se reduzir  a pequenas aparições no Teleton, se ele já não fez alguma piada de mau gosto com deficientes, não me lembro. Já gostei mais de suas piadas, mas confesso que até pra mim, que acho que o humor não pode ter muito zêlo, fiquei incomodado em algumas situações. Rafinha, se eu  pudesse te dar um conselho, da próxima vez que você fizer uma piada de mau gosto, faça com lixeiros. Pelo jeito, o Sr. Johnny Saad não se incomoda muito com eles. Pra você ver como são as coisas, depois do CQC você assiste o Jornal da Noite com Boris Casoy.


sábado, outubro 01, 2011

Testosterona's day




Um dos sábados mais quentes do ano, se não for o mais quente. Aqui na Brasilândia, estão lavando carros, bicicletas e motos, ao som de Racionais, Exaltasamba e MC Catra (sim, periferia é isso), todos se preparando para sair e aproveitar o sol de 34º. Eu finjo que não é comigo, tô de plantão e por isso, ficarei em casa até as 19h, pronto para tentar resolver qualquer pepino necessários com as ofertas do Groupon, o seu site de compras coletivas! (SEO, papo de geek, hands up, Robson - a.K.a Big Black Bastard). Nem sempre temos o que fazer, mas como os escoteiros, nossa obrigação é ficar sempre alerta (ainda existem escoteiros?)
Minha mulher está trabalhando também e hoje vai tirar o dia pra fazer coisas de mulher após as aulas. Também, ninguém merece ficar fazendo companhia para um morto-vivo pós plantão...
Mediante a este cenário, separei filmes sensíveis, bebidas sofisticadas e petiscos finos. Olho a minha volta e vejo Rocky, Rambo, Maquina Mortífera, Duro de Matar, Clube da Luta e Bastardos Inglórios. Cervejas me esperando na geladeira, acompanhados de amendoins e afins. Já vi Everton x Liverpool, Manchester x Norswich, Roma x Atalanta e espero por Inter x Napoli e a coisa mais difícil de engolir neste dia, Palmeiras x América-MG. Na madrugada, UFC e depois cama. 
Para compensar, acho que amanhã vou ouvir Kenny G e costurar um suéter....
Deus..