terça-feira, novembro 06, 2012

Quero ser grande...really?



A semana começou e já percebi que será uma daquelas. Hoje me senti como o Tom Hanks, naquele filme "Quero ser grande". Juro que fiquei tentando lembrar em qual parque eu tinha feito um pedido pro Zoltar. Já tinha percebido isso faz tempo, mas é nítido que a vida não te prepara pra algumas coisas, talvez até devesse, mas não o faz. Não porque é injusta, mas porque, sinceramente, não merecemos. Seria muito fácil se, desde que garoto, você soubesse que magoaria pessoas, interferiria diretamente em suas vidas, se decepcionaria, se frustraria e um dia chegasse à conclusão de que metade do que você sonhava quando adolescente, ficou pra trás. Mas isso não é ruim, apenas é diferente do sonho juvenil. Confesso que as vezes sinto falta daquele garoto que não se preocupava tanto, apenas vivia, entre batucadas, gols e copos gelados de Coca-Cola. A gente cresce e logo aprende que a vida é a maior escola que temos. Sinto falta de ter que decidir apenas se ia à uma festa ou ao shopping, se iria pra escola com o tênis branco ou o preto, voltaria da escola andando ou de ônibus.
O tempo passa e aí você vê que tudo isso é minúsculo, comparado às escolhas que temos que fazer;  qual conta pagar antes? qual funcionário é o mais eficiente? qual é a melhor decisão para a empresa?
Na vida adulta, você dificilmente toma uma decisão que impacta apenas em sua vida. Sempre sobra pra mais alguém...sempre.
Nos últimos 3, 4 meses, o trabalho me encheu tanto de preocupações que acabei esquecendo algo muito importante: viver. Não fosse a San,o Pedro e raríssimos almoços com minha família e meus amigos, não teria visto filmes, ido ao cinema, jantado, espairecido, sofrido com o Palmeiras, sei lá, qualquer coisa que me fizesse esquecer de checar os emails corporativos.
Adoro meu trabalho, faço com gosto, sem reclamar, mas entre um problema e outro, as vezes me pego procurando aquele garoto que esperava, ansioso, os novos LP's do Tupac, do Notorious BIG, enfim, artistas que eu curtia com meus 15, 16 anos.
Pode até não fazer sentido, talvez nem faça, mas na verdade, as vezes dá vontade de tirar uns dias de folga dessa tal vida adulta.




Nenhum comentário: