quinta-feira, janeiro 26, 2012

Equilíbrio


"Alcançar o equilíbrio não é deixar de viver sensações, sentimentos e experiências que a vida nos oferece. É saber lidar com tudo isso sem perder o eixo.'



Equilíbrio. Esta é a chave da vida. Em todo e qualquer aspecto da vida, manter o equilíbrio é necessário para alcançar o sucesso. Seja no trabalho, nas relações pessoais, e na maneira de lidar com você mesmo. Teoria simples, prática complicada. Como achar o equilíbrio? Como aprender a lidar com o lado bom e o lado ruim das coisas? Leva tempo, paciência, coragem...Mas, de verdade, aprendemos mesmo quando conhecemos de perto os dois lados da moeda. Extrema alegria, tristeza profunda. Um dia inesquecível, uma noite para esquecer. Dias de sol, noites de chuva. 
Admitir as fraquezas, entender que as responsabilidades que assumimos devem ser proporcionais à força que temos.
As vezes nos desgastamos demais por achar que podemos abraçar o mundo, carregar as pessoas que amamos nas costas, os problemas do trabalho, as diferenças de familiares, os fracassos nos relacionamentos...Não dá...
Demorei muito para descobrir isso, mas muito mesmo...
Sempre tive um desequilíbrio emocional dos grandes. Não conseguia viver uma vida no meio termo. Sempre fui ao extremo, ou estava muito feliz ou muito triste. Ou era um doce de pessoa, ou era a pior delas. Sempre me recomendavam fazer terapia. Mas eu não ligava, \chava que meu jeito era esse, foda-se, que gostassem de mim assim. E assim segui durante anos, machucando pessoas que não tinham nada a ver com isso. 
Mas aí eu perdi a Sandra....Foi aí que meus olhos se abriram. Só então pude perceber como esse meu desequilíbrio era capaz de me fazer mal, afastando de mim as pessoas mais importantes da minha vida. 
E aí procurei ajuda, corri atrás do tempo perdido, sofri ao lembrar das marcas que deixei nos corações das pessoas. Horrível...
Mas diariamente a vida nos dá chances de reescrevermos nossa história. Claro que não dá para apagar o passado, mas se prender a ele, não ajuda em nada a construção do futuro.  
Hoje tive um dia perfeito, estou indo dormir feliz, completo, pleno. Estar com as pessoas mais importantes da sua vida, aproveitar o amor, as risadas e tudo o que uma vida equilibrada pode oferecer é uma dádiva. Segurar a mão do meu sobrinho, ver meus pais, minha irmã, meu cunhado, completamente bobos pelo Gabriel é indescritível. Ver a paz e a felicidade de quem você ama pelo simples fato de partilhar sorrisos, olhares e lágrimas de felicidade é incrível. Como pode tanto amor por uma pessoinha tão pequena com olhinhos de jaboticaba que cabe em uma banheirinha cheia de espuma, com os pezinhos enrugadinhos.
Encontrar o equilíbrio é ver que você, finalmente, está sintonizado na mesma vibração que o mundo. Não que o mundo todo, mas o seu mundo, o mundo onde só as pessoas que realmente fazem a diferença em sua vida podem entrar. Um lugar onde não existe medo, mentiras, falsidade. Onde os problemas são encarados de frente, as lutas são duras, mas são vencidas. Um mundo de amor, carinho, respeito, companheirismo, fidelidade, lealdade, equilíbrio e muita espuma...


sexta-feira, janeiro 20, 2012

The Best Vibrations of My Life





Quinta-feira, 19 de janeiro de 2012, 22h58.


Neste momento começa uma nova vida. Uma nova vida para o mundo, para minha irmã, meu cunhado, meus pais e especialmente para mim. Nasceu um garotinho, Gabriel Pollisson Rodrigues, meu sobrinho. Ainda anestesiado pelo turbilhão de emoções que senti nesses momentos que antecederam esse momento...Como explicar tanto amor? Não dá. Aliás, como explicar um amor? Impossível. Amor a gente sente, e pronto.
E que quando ele aprender a ler, que ele leia esse texto, pra que um dia ele saiba o que passou na cabeça desse tio maluco quando eu o vi pela primeira vez e chorei, muito.

"Gabriel

Você mudou a vida do tio, para sempre. A primeira vez que te vi, meu coração disparou, minhas pernas tremeram e meus olhos se encheram d'água. O tio promete que vai te contar todas as histórias que aprendeu ao longo da vida. Vai jogar bola até você cansar, soltar pipa, te levar ao parque, ver desenhos deitado no tapete, entrar na piscina quando estiver frio e te ensinar sobre música. O tio também vai te levar ao estádio, mesmo que seja no jogo do Corinthians, vai te ensinar o que é certo e o que é errado, mesmo que seja com algumas broncas. Vou deitar ao lado da sua cama quando você estiver com medo do escuro, te dar uma roupa do homem aranha, fazer lanches bem gostosos com um copão de Coca-Cola. Vou te ensinar a arrotar, assoviar e contar piadas.
Vou te ensinar tudo o que eu aprendi com as porradas que a vida me deu, para que você não sofra, mesmo sabendo que você só vai aprender quando tomar as porradas que a vida dá. É, Gabri, a vida judia mas ensina. Mas não desista, nunca! Quando você achar que está tudo perdido, o tio estará do seu lado e ajudará você a encontrar o caminho.
Desejo de coração é você seja trabalhador, honesto e companheiro como o papai Anderson, esforçado, sorridente e doce como a mamãe Fernanda. Desejo também que ele seja divertido e esperto como a Tia Juliana, prestativo e parceiro como o Vovo João e a Vovó Edna. Que seja simples, justo e emotivo como o Vovô Mazinho, sereno e forte como a Vovó Orlene. 
Talvez o tio não seja o melhor exemplo, mas algumas coisas você pode aprender comigo. Faça amigos, respeite a família, dê valor às coisas simples da vida, não viva para trabalhar, trabalhe para viver. Não tenha pressa, tudo tem sua hora. O tio começou a colher as boas coisas que plantou só depois dos 30. 
Ame bastante, faça o que gosta e seja feliz, garoto. Só assim a vida vale a pena. 
O tio ama você e sabe, que um dia você vai entender que boas vibrações atraem coisas boas. Você é tão especial que, em seu primeiro segundo de vida, me fez sentir as melhores vibrações da minha vida
Pense grande, voe alto. O mundo é seu!
Good Vibrations!"

segunda-feira, janeiro 09, 2012

1st day: Give peace a chance...



- E aí, malucão?
- Oi Dra, tudo bom?
- Não sei, tá tudo bom?
- Agora tá...

Começou assim, meu 2012 começou hoje. As ruas com mais movimento, o metrô mais cheio e eu voltei ao consultório da Dra. Marli. Cheio de esperança, de dúvidas, de questionamento. Com os mesmos desejos que eu tinha da primeira vez que eu fui lá, em novembro. Ela cortou o cabelo, está com uma cara mais descansada. Passou o fim de ano perambulando entre Chile, Argentina e Uruguai. Me mandou um email de aniversário e falou comigo na sexta feira pela manhã, em um dos meus picos de desespero.
- E aí, como tá a vida?
- Dura, como sempre
- Que parte?
E aí contei tudo...Contei das minhas diferenças com a Sandra, contei dos meus medos, anseios, culpas e ansiedades. Chorei ao falar da minha avó. Aliás, chorei tudo o que não tinha chorado até hoje. Talvez só hoje me dei conta do quanto isso foi e sempre será dolorido. Nessa hora entrei em um abismo profundo e fui resgatado aos chacoalhões. Falei do novo desafio do Groupon, do medo que eu senti nos primeiros dias e na tranquilidade que se abateu sobre minha alma, vinda da confiança que os colegas depositaram em mim.
E aí chegamos naquele assunto complicado, o mote de tudo. E aí, amigos...Aí a conversa foi pesada. Se tivesse um medidor de BPM (broncas por minuto) ah, eu tava ferrado. Depois de lamentações, broncas, lágrimas e um abraço de mãe...uma pergunta...
- Como você quer que a vida de vocês seja?
- Em paz, como era antes.
- So, give peace a chance...

Assim foi a primeira sessão de 2012. Depois de um abraço e um café, ela me alcançou na porta e fazendo um gesto característico nosso - com os punhos cerrados - ela disse:
- Não desista de ser feliz, não desista de você e enquanto ela fizer com que você sorria deste jeito ao descrever um simples olhar que encontra o seu, não desista dela também...
It ain't over till it's over...  

sexta-feira, janeiro 06, 2012

Coração grande da porra!




Tô solteiro já tem um tempo, e desde então, procurei esfriar a cabeça, ficar na minha, não fazer como das outras vezes em que tomei um pé na bunda terminei meus namoros, quando saía arrebentando no rolê, eu e meu coração grande da porra. Amava demais por aí. Ah, a juventude. Depois dos 30 confesso que fiquei com um pouco de vergonha de fazer essas presepadas, ficar muito louco, levar meu coração grande da porra pra passear e coisas do tipo. 
Agora, me coloquei como observador das pessoas. 
Fico vendo a galera namorando com aquela coragem, reclamando de ter que deixar de sair porque a namorada não deixa (o que é bizarro), de ficar de conversinha com outras pessoas, botar chifre, sair com pessoas comprometidas e ainda fazer isso pra todo mundo ver. E quando pergunto porque, sempre a mesma resposta: 
- Ah, caiu na rotina..
Rotina, caralho!! Então namora um trapezista, um mágico, um X-Men...Inventa outra, fala a real, que você é um canalha, que você tá de saco cheio da sua namorada e não tem coragem de terminar, se apaixonou por outra pessoa, o que acontece, ou que você sabe que deu sorte e não consegue arrumar nada melhor. 
Por mais dolorido que seja, prefiro mil vezes jogar ou ouvir a real. Imaginar que a pessoa que divide uma cama, um quarto, um problema, uma conquista, enfim, uma vida, trai você sem o menor pudor e ainda faz graça, é desesperador. 
Quantas vezes esse mês você saiu com seu namorado para jantar no meio da semana? Quantas vezes você mandou flores, chocolates ou mandou um simples sms para dizer o quanto sua mulher é especial?
Essa semana, conversei com uma pessoa que me conhece demais, que disse ter inveja do meu senso prático com as coisas. Quando está ruim pra mim, resolvo logo, seja um emprego ruim, relacionamento, amizade, enfim. Não fico carregando nada a toa. 
Quem sabe eu e o Lulu Santos sejamos os últimos românticos, que acreditam em toda a forma de amor (quem vê pensa que eu gosto deste babaca). Confesso que não sou muito fã de namorar. Só o fiz quando estava alucinado de amor. 
E foram 3 experiências incríveis, com pessoas sensacionais, que me ensinaram muito, mesmo quando eu não tinha idade e nem muita maturidade para aprender.
Ainda acho que vou ficar observando as pessoas por um tempo, pois o mundo está cada vez menos propício para um cara como eu, que acredita em amor a primeira vista, que trata uma mulher como uma princesa, que sonha em casar, ter filhos, família, com uma mulher carinhosa, inteligente, delicada, companheira, que não goste de novela e adore bichos.
 Pode até parecer fraqueza ser que alguém esteja surpreso com tudo isso, com esse meu jeito de ver as coisas depois dos 30 anos. Meu jeito meio auto-suficiente ou, as vezes, antissocial não condiz com tudo isso. Mas eu ainda tenho um coração grande da porra, e não o divido em várias partes...