quarta-feira, fevereiro 29, 2012

Manda quem pode...



Hoje foi um dia de descobertas, de fato. Ou melhor, redescobertas. Muitas coisas que eu vivi na minha vida profissional e pessoal foram mudadas em 12 horas. Ainda que pensem que é exagero, quem conversou comigo, nem que apenas por minutos, soube o tamanho da minha angústia. 
Como já disse aqui antes, eu me cobro muito, as vezes, até demais.
Confio em mim, em minha capacidade e sei do quanto eu me esforço para que tudo saia perfeito. Mas nem sempre é assim. Erramos e sempre vamos errar, somos humanos, temos dúvidas, hesitações, questionamentos e alguns segundos de distração podem transformar um dia tranquilo em horas de desespero. 
Errei, assumi, mas isso não era o bastante, não para mim. Fiquei puto, triste, pensei em tanta coisa ruim e ao mesmo tempo idiota, que entrei em uma paranoia doida. 
No auge do meu desespero, fui recebido por um sorriso, um olhar de compreensão e um beijo no rosto, o que não é de praxe. Sentei, falei, quase chorei e me desculpei por cerca de 10 minutos e me preparei para ouvir coisas pesadas. 
E foi aí que eu aprendi a maior das lições: todos nós usamos a mesma mão para bater e para fazer carinho, mas poucos de nós sabemos quando tomar cada uma dessas atitudes.
Ser um bom chefe, um bom líder, um bom gestor, enfim, é meio que isso. É cobrar pesado quando necessário, saber diferenciar uma falha de um erro, saber escolher hora da bronca e a hora do direcionamento. Eu já tomei um caminhão de broncas, todas merecidas, mas hoje tinha quase certeza que tomaria a maior de todas, que voltaria para casa, cedo ou tarde, com uma sensação de fracasso.  Horas depois, a mesma mão que me fez o carinho, me deu os parabéns e uma ótima notícia, que me deixou mais feliz do que eu poderia imaginar neste dia cheio de "ups and downs". E claro, para não perder o costume, a mesma mão me mandou uma senhora (e merecida) bronca no fim da noite. 
Desde que virei coordenador, tinha para mim que deveria ser menos humano, menos bonzinho, mais "coronel". (risos)
Mas como posso pensar nisso tendo como um grande exemplo alguém que entende que somos todos humanos, que sofremos com a perda de uma pessoa querida, o nascimento de um sobrinho, a doença de um pai, com a mesma naturalidade que te dá uma bronca daquelas e no outro dia faz você querer levantar cedo e fazer o seu melhor?
Ser chefe é ser gente como a gente e mostrar que a gente, pode ser chefe. 
Né, chefe? 

sexta-feira, fevereiro 17, 2012

Feeling Good Inc.








Dia 12 de abril de 2011
Entrei no escritório do Groupon pela primeira vez e logo pensei: "Caralho, preciso conseguir esse emprego."
Se passaram 10 meses e aqui estou eu, pela primeira vez, feliz no lugar onde trabalho. Lembro que em meu primeiro dia, olhava pro lado e via aquela galera jovem, ou melhor, mais jovem que eu. E olha que eu só tinha 31 anos. Gente descolada, inteligente, que estudou nas melhores faculdades do país, vindos de diversos estados do Brasil, com culturas, histórias, vidas e valores diferentes do garoto da Brasilândia. Achei o máximo e pensei: "Nossa, vou ter que me esforçar o triplo do normal."
E assim foi, depois de algumas mancadas, vacilos, hesitações e (muitas e merecidas) broncas, finalmente peguei o jeito.
Quando vi, já estava por dentro dos procedimentos, escrevendo sobre estética, pet shop, salto de paraquedas, drenagem linfática e afins, ajudando os novatos e, colaborando, ou ao menos tentando para a melhoria do Editorial.
O tempo passou, ganhei respeito, ampliei meus horizontes e aprendi muito, mas muito mesmo com todos. Nunca me esqueci das dicas, toques, broncas e coisas que nos fazem crescer, quando queremos e sabemos onde queremos chegar.
Depois de tudo isso, muito esforço e um pouco de sorte, fui promovido à coordenador e olha, em dois meses na nova função, aprendi muito e amadureci anos. E o melhor, ainda tenho muito mais a aprender. Conhecer as particularidades de cada um, dar broncas, conselhos e dicas é muito gratificante, principalmente quando vemos a evolução gradativa das pessoas que tem um potencial incrível, mas que as vezes nem imaginam o tamanho de sua capacidade.
Entre acertos e erros, elogios e broncas, vou caminhando feliz e construindo minha história do maior site de compras coletivas do mundo (SEO detected) feliz por dividir as alegrias e tristezas com pessoas tão incríveis. Nunca vou me esquecer desta época da minha vida...Uma época onde, finalmente, eu acordo feliz por fazer parte do Editorial e do Groupon Brasil!


P.S.: Hoje é sexta e amanhã, exatamente a 1h40, certamente estarei trabalhando...É carnaval!!

quarta-feira, fevereiro 01, 2012

Arrependimento não mata, fique tranquilo..



Se arrepender faz parte da vida. Não acho que exista maior mentira do que alguém dizer "Não me arrependo de nada do que fiz." Mentira! Por exemplo, eu me arrependo de ter dito esta frase mais de uma vez. E me arrependo de ter demorado tanto para constatar que essa é uma das maiores baboseiras que alguém pode dizer.
Tudo bem, você pode até não admitir para todo mundo que se arrepende de alguma coisa, mas pense bem, quantas vezes você viu sua vida tomar rumos diferentes em consequência de uma atitude sua? 
Hoje, mais maduro, digo para quem quiser ouvir, "Sim, eu fiz muita merda. Mas aprendi, aprendo e ainda vou aprender com todas elas."
Poderia ter aprendido sem sofrer? Sim. Teria surtido o mesmo efeito? Provavelmente não...
Sofro as consequências de diversas atitudes mal tomadas em minha vida. Todas elas, de certa forma atrasaram minha vida em diversos aspectos. Profissionalmente, pessoalmente, emocionalmente, enfim. Mas se fosse tudo perfeito, seria filme e duraria apenas duas horas. Então, o jeito é correr atrás, ser humilde e aprender com os erros, o não imuniza ninguém a errar, mas, nos  ensina a não insistirmos nos mesmos erros. 
Recentemente passei por uma situação no Groupon, exatamente idêntica a um episódio na B2W, há menos de um ano. Na época, tomei uma atitude impensada e ali foi o início do fim da minha história na Companhia do Futuro. Quando vi a mesma situação em um lugar diferente, uma luz amarela acendeu na minha cabeça e tomei uma atitude diferente, que acabou mudando minha história lá dentro, positivamente.
Conversando com a Sandra sobre arrependimentos, disse o quanto me arrependia de certas coisas. Das coisas ruins que fiz, das boas que deixei de fazer, das lições que aprendi...
Lembrei das brigas que provoquei, das coisas que não fiz por preguiça, por comodismo, dos minutos em que cheguei atrasado a um compromisso com ela, das vezes em que saí mais cedo, das vezes em que deixei de dizer o quanto eu a amo e o quanto ela é especial para mim. Da minha falta de paciência, tato e sensibilidade em algumas situações, do egoísmo..