sábado, setembro 01, 2012

Time of Your Life


Hoje eu acordei pensando no tamanho dos sonhos e na importância deles em nossa vida. Nunca fui um cara de muitos sonhos, nunca fixei minha bandeira em um território imaginário, decorado com fama, status, pilhas de dinheiro. Na verdade, o único sonho que eu tenho é o de construir uma família feliz como meus pais construíram, e ser lembrado como alguém especial.
Peguei o metrô essa manhã e, à medida que olhava para as pesso.as; umas tristes, outras sorrindo, indo ou voltando do trabalho, pensava: "De onde será que ela veio" , "pra onde ele vai?" "Qual será o sonho desse cara?"


Engraçado, cada um vive por um sonho e corre atrás dele como acha que deve. Tenho muitos amigos que hoje circulam por aí em seus carrões importados, moram em mansões, são donos de empresas. Já os julguei por isso, mas hoje entendo. Nem todo mundo tem o mesmo objetivo de vida, o mesmo foco, mas nem por isso existe o certo ou o errado. A pergunta é: "você está feliz?"
Essa semana consegui jantar com a minha irmã e isso me refrescou a alma. As vezes me sinto culpado por trabalhar muito e em um horário tão maluco, e não conseguir ver meu sobrinho, minha irmã e meu cunhado com frequência. O que me conforta é saber que tenho um sobrinho lindo e saudável, criado com hábitos simples e com muito amor dos pais, dos avós. Minha irmã chegou aos 30 em paz, feliz e com tudo o que sempre quis. Uma família, uma casinha  e saúde.
Ontem fui ver um carro novo, porque ficar sem carro hoje em dia é dureza. Meus pais foram junto; minha mãe deu carona e meu pai deu palpites conselhos financeiros baseados em sua experiencia de 35 anos como contador. Comprei o carro. Quando isso acontece naquela concessionária, os vendedores fazem buzinaço e o cliente toca um sino. E eu mandei ver, toquei o sino e, a cada badalada, lembrava de cada pessoa que desdenhava da minha capacidade, ria da minha falta de ambição (entenda, falta de vontade de ficar rico) e ao lembrar disso comecei a tocar o sino com força, como se uma mistura de desabafo e raiva tomasse conta de mim; olhei para os meus pais enquanto tocava o sino e eles estavam lá, orgulhosos. Enquanto minha mãe assistia emocionada, meu pai tirava fotos sorrindo e isso, eu nunca vou esquecer.
Já no Groupon conversei com o Thiago, uma das pessoas mais sensacionais que conheci nos últimos tempos; simples, esforçado, trabalhador, honesto. Falamos da vida, da teimosia das mulheres, de paciência, das dificuldades da vida. Fechamos o papo e tive certeza que ele ouviu meus conselhos. 
Fui pra casa, dei um abraço longo na San, conversamos e, assim que minha pequena pegou no sono, comecei a pensar na vida, nas coisas, no tempo...
Meu maior medo sempre foi não conseguir dar orgulho aos meus pais e até 2009, minha vida seguia para esse caminho. Sofri, chorei, errei, mas aprendi.
Hoje, sou um bom filho, irmão, marido (falta pouco \o/), um bom chefe, enfim, uma boa pessoa. As badaladas vão ecoar para sempre em minha cabeça, não pelo carro, que poderia ser um Fusca ou uma Ferrari, mas pela conquista, por nunca ter desistido, por entender que hoje, tenho tudo o que preciso para ser feliz. Uma família perfeita, um amor para toda a vida, um "filho" que as vezes tem 19 e outras tem 9 e a admiração de algumas pessoas.
No fim das contas, acho que tudo isso é suficiente para que eu seja lembrado para sempre; não pelo que eu tenho, nem por quem eu fui, mas pelo que eu fiz e pelo que sou. 

Esse texto foi escrito enquanto eu ouvia a voz de um cara talentosíssimo, sensacional e que um dia vai realizar seu sonho: Felipe Marchi ou melhor, para nós do Editorial, o Felp, e para o mundo, um dia, Felipe Mark. Boa sorte na segunda-feira e em toda essa corrida rumo ao sonho, Felps! "I hope you had the time of your life"