domingo, setembro 08, 2013

Chegadas, partidas, idas e vindas..

Eu pouco vou a aeroportos. Viajo menos do que deveria (e gostaria). As ultimas vezes foram para levar meus pais e o Pedro. Mas pra mim, aeroportos são muito mais do que portões de embarque e desembarque. Hoje, ao ir buscar meus pais, vi de tudo. Vi tanto, que sei que não conseguirei contar a metade. Vi olhos que desembarcavam procurando olhos familiares. Vi olhos que, por não terem por quem procurar, olhavam para o chão. Vi a esposa que se embelezou para esperar o marido.
Riquelme ao ver o pai
Vi Riquelme, um garotinho que chorou ao entrever o pai pelos portões de desembarque. Vi o marido e as pequenas gêmeas esperando a mãe com flores. A família da Jozi a esperando com faixas, balões e lágrimas.   

Riquelme e o pai
As 3 sobrinhas que vieram a SP pela primeira vez e pularam no colo da titia, que chorou. A mãe que largou as malas no chão e pulou feito doida no colo do filho. 
Vi o Jaime, que parece ter vindo de um desses lugares paradisíacos, Taiti, Bora-Bora, e, pelo que parece, depois de muito tempo reencontrou os pais e os avos, que o abraçavam e estranharam o rosto coberto por uma barba recém-cultivada e longos cabelos despenteados. 
Conheci Alvin e Angélica, dos irmãozinhos bolivianos, que esperavam por sua avuela, Joaquina. A pequena Martina que jogou sua mala das Princesas da Disney para o alto antes de abraçar seu pai. E da garota que apresentou seu noivo europeu ao pai nordestino, que respondeu o "How are you" com um abraço arretado.
Familia da Jozi

São tantas histórias, tantas idas e vindas, chegadas e partidas. Gente que foi sem saber se ia voltar. Que foi e voltou diferente. Gente que está indo e não quer voltar. Gente que volta sem querer ter ido.
E eu?
Eu estava lá, apenas para buscar meus pais, 5 dias depois de tê-los deixado lá. 
No carro, ouvindo suas histórias, de como a Cordilheira dos Andes é linda, como os vinhos são bons e como o Pisco é barato, me lembrei dessas pessoas que "conheci" no aeroporto esta noite.
Vi que, independente da história de cada um, todos nós temos um sentimento comum dentro do peito: saudade...



Nenhum comentário: