quinta-feira, março 27, 2014

Faça de novo, faça de uma vez






Fui escolher uma nova armação para meus óculos e, ao olhar no espelho, reparei como estou grisalho. Sinal dos tempos e do meu DDA*, que não me deixou concentrar logo no que eu precisava. Mas esse foi o final do meu dia. No decorrer dele, tomei alguns empurrões e percebi que, além de estar velho para usar um óculos colorido, o biscoito da sorte estava certo, realmente "o medo de perder tira a vontade de ganhar" (na verdade, o Wanderley Luxemburgo disse isso, mas eu estava prestando atenção em outra coisa quando li o que dizia o biscoito...)

Eu, além de DDA, devo ter a Síndrome de Charlie Brown, pois quando tudo parece estar perfeito, eu espero a vida puxar a bola e rir quando eu cair com as costas no chão. Por exemplo, há muito tempo eu quero cruzar a fronteira da Brasilândia com o planeta Terra, mas a voz do demônio da autossabotagem (que pra mim tem a cara do Jeremy Irons) sempre diz "e se você perder o emprego? Como fará?". Hoje cheguei a conclusão que meu emprego é instável...como todos os outros. Nem por isso prédios deixam de ser construídos ou boletos da grossura da Bíblia Sagrada deixaram de ser criados. Afinal, sempre que você vai a um empreendimento, o corretor diz "esta é a última unidade". Não sei até que ponto eles falam a verdade. Pois bem, mandei o Jeremy Irons calar a boca e resolvi chutar a porra da bola. Fui lá e ouvi a tal frase da última unidade, mas também ouvi "a tabela de preço muda domingo" e comecei a pensar sobre uma frase que li ao conversar com o Danilo. "Faça outra vez, você raramente vai acertar na primeira"
E é verdade, não me lembro de ter acertado muitas coisas na primeira vez que tentei. Reprovei no primeiro teste de direção, me formei na terceira tentativa de faculdade. De relacionamentos melhor não falar (ainda vou escrever um post sobre a única mágoa que guardei na vida. Ainda não tô preparado.), mas tô aí, tentando de novo.
Hora de arriscar, fazer de novo até dar certo. Porque a vida é basicamente isso, cada dia é uma tentativa de fazer tudo isso valer a pena. E sabe de uma coisa, até que vale.

DDA é o Distúrbio de Déficit de Atenção, que faz com que eu tenha sérias dificuldades de concentração. Esse post era sobre um assunto diferente do que virou e demorou 14 horas para ficar pronto. Quando falei da síndrome de Charlie Brown, comecei a lembrar dos episódios e peguei no sono.


quarta-feira, março 26, 2014

Férias: passam rápido e tiram manchas

Os dias passam voando mesmo. Acabei de sair de férias e já volto segunda-feira que vem. Se fosse na terça, ninguém acreditaria (só os fortes entenderão. E os idiotas também. E as crianças do primário). E aí a gente vê que, mesmo sentindo falta da rotina de trabalho, 30 dias de férias não são nada perto do que você precisa fazer pra organizar sua vida. Já dizia Ferris Bueller; "A vida passa muito rápido; se você não parar e olhar ao redor, você pode perdê-la". Quando você vê, seu sobrinho fala de tudo, sua sobrinha começa a andar e você está citando um filme que viu quando era criança, que completa 28 anos de lançamento. (sim, e Footloose completa 30). 
Nos últimos 4 dias que me restam, tenho muitas coisas pra fazer. De ir à Pirassununga filar uma pizza no Bolão a vacinar o Akeem. Mandar fazer meu óculos novo e visitar a Vivian. Tirando os dias em que fui à Caraguá visitar a Regina, realmente não fiz muita coisa digna de admiração ou de um álbum no Facebook. Mas olha, ninguém dormiu mais do que eu esse mês. Talvez o cara que vai no banheiro dormir e coloca o relógio pra despertar (#EstamosdeOlho). Enquanto a segunda não vem, vou tentando não dar mancada com todos que eu disse "nas minhas férias a gente se vê" e fazer um tour por aí. Quem sabe. Posso rodar 800km em 2 dias ou posso descobrir pelo Google que a música que ficou na minha cabeça durante meses, não é apenas um jingle do Omo Multiação, mas sim, um clássico de Antonio Carlos e Jocafi. 
Sinta o groove e elimine as sujeiras mais profundas. 

quinta-feira, março 20, 2014

O País do Futebol



Vai ter copa. Você querendo ou não, vai ter copa. E você vai torcer, assim como torceu para encontrar um ingresso e ter a chance de ver ao vivo. É Copa. Aquele negócio legal que acontece a cada quatro anos, que deixa sua rua mais colorida, seus dias de trabalho mais curtos e a ressaca mais longa. Talvez você até chore quando a torcida continuar cantando depois que o hino parar de tocar, ou quando o Galvão enlouquecer e gritar "é hexa, é hexa" (nada se compara ao "É tetra", mas..)
Eu amo futebol, amo a Copa do Mundo, mas, na oitava copa que acompanho sinto em dizer que vai ter Copa aqui no Brasil.
Sim, nesse "Brasil que canta e é feliz, feliz". No mesmo país que, só nesta semana, vimos uma tentativa de estupro em um trem, o assassinato de uma auxiliar de serviços gerais pela polícia militar, entre outros casos que não ficamos sabendo. 

Andando por São Paulo nas minhas férias, não encontrei as melhorias de infraestrutura prometidas pelo governo. Nenhuma nova estação de metro, nenhuma solução para o tráfego, para a superlotação dos transportes coletivos, nenhuma medida contra a violência. Nada. Mas a maioria tá preocupada porque o Neymar virou reserva no Barcelona e talvez não chegue tão bem à Copa.
Qual o legado dessa Copa? Estádios que perderão a utilidade em um mês? O país sendo ridicularizado no mundo todo pela falta de preparo? Ou o título de "pior copa do mundo da história"? Não sei.
Muita gente ganhou dinheiro com essa Copa. Muita gente ainda vai ganhar. E o povo brasileiro? Não vai ganhar nada, talvez, no máximo um Hexa. É muito pouco para quem vive em condições sub-humanas. Falta hospital, falta escola, falta segurança, falta respeito. Mas não vai faltar gente querendo elogiar esta copa, elogiar a alegria do povo do país do futebol, a receptividade do brasileiro.
Pois é.
Vai ter Copa, sim senhor. E quem for contra vai ser varrido para baixo do tapete, sabe como é, pra inglês não ver. E isso posso afirmar, presenciei a polícia combatendo uma manifestação na avenida Paulista e olha. O pau vai comer.
Mas antes que comecem os gritos de "Pra frente Brasil", já adianto: pela primeira vez em 74 anos de Copa do Mundo, o Brasil não tem chance alguma de sair como vencedor. A não ser em campo. 

Escolhi a música "Pais do Futebol" do meu ídolo Wilson Simonal porque, em 1970, essa letra passava a imagem de que o futebol era uma saída para os problemas já existentes no país. Em 2014, talvez, ela soe diferente.


Nesses noventa minutos/ De emoção e alegria/ Esqueço a casa e o trabalho/ A vida fica lá fora/ Dinheiro fica lá fora/ A cama fica lá fora/ Família fica lá fora/ A vida fica lá fora/ E tudo fica lá fora

terça-feira, março 11, 2014

Alô você aí em 2004

2004
E aí, Léo. Beleza? É você mesmo quem fala, aqui de 2014. É, resolvi te escrever pra te dizer como chegamos até aqui. Não foi mole não. Mas agora, aqui em 2014, tá tudo ótimo. Sabe a vida que você leva aí? Então, não vai sobrar muita coisa dessa sua rotina. Boa notícia é que você vai terminar essa faculdade que está fazendo, olha só. Daí uns 5 anos, você vai largar mão da música de vez e trabalhar em e-commerce. É, ainda está começando, mas até 2014, é disso que vivemos. Sabe a Bruna, sua namorada? Então, ela vai se formar em Ribeirão e depois vai morar em Bauru. E vai casar com outro. Calma, vai ser tranquilo. Diria que você vai encorajá-la a fazer isso. Sério.
Aproveite bem algumas pessoas que você ama. Elas não estarão ao seu lado em 2014. Não sei se deveria te dizer, mas a Vó Altair, o Vô Totonho e o Daniel, estarão em outra. Vai ser foda, pode acreditar, mas a vida dá um jeito de compensar as perdas. A Fê casou com o Anderson e, adivinhe, você tem 2 sobrinhos lindos; Gabriel e Júlia, que são loucos por você. Seus amigos continuarão sendo seus amigos, mesmo vocês se vendo pouquíssimas vezes no ano. Cada um seguiu um caminho, um destino, mas o bom é que você parou de sofrer por isso, se acostumou e hoje, não sente tanto a falta deles. Uma hora cansa, e você cansou de correr atrás. E a maioria tá casada, então tá tudo bem pra todo mundo.
O mundo tá cheio de coisa nova, tecnologias foram criadas para melhorar a interação entre as pessoas, mas acabou dando errado. O touchscreen das telas substituiu o toque da pele. Fora que tudo agora é politicamente incorreto. Não se pode brincar com nada que um monte de gente fica ofendido. O popular (em 2014) mimimi.
O Palmeiras, que tanto torcemos ano passado na série B vai ser Campeão da Copa do Brasil em 2012...e vai cair pra segundona de novo. No mesmo ano. Juro. Mas em 2006 o Edmundo voltou e fomos a quase todos os jogos. Foi foda.
Depois da Bruna, você vai namorar outra pessoa. E você vai ser magoado como nunca foi. Mas vai passar. E aí você vai conhecer alguém que vai mudar sua vida. Mas disso eu não vou falar. Afinal, uma das graças de se apaixonar é se surpreender a cada dia.
Ah, os EUA tem um presidente negro e a presidente do Brasil é uma mulher. É sério! Mas isso não quer dizer que somos uma sociedade livre de preconceito. Melhorou muito, mas ainda tem muita coisa a ser feita.
Ah. Pra finalizar, coma menos e se exercite mais. Não volte a fumar e não se estresse tanto. Senão, em 2014 você será um cara de 34 anos, barrigudo, ranzinza e grisalho. É um saco, mas você vai adorar!
Até mais.

segunda-feira, março 10, 2014

Que vida...



Posso fazer piadas politicamente incorretas, não perder nenhum jogo do Palmeiras e não ter que assisti-los sozinho. Não preciso escolher entre alguém e minha família. Não preciso ter desconfiança, medo de mentiras, traições e afins. Não preciso ouvir desculpas esfarrapadas. Posso andar de cabeça erguida. Ouço programas de esporte no rádio. Trabalho tranquilo. Não ouço perguntas como "quem é aquela biscate?", ou "qual a senha do seu Facebook?" e "Até que horas você ficou acordado ontem? Fazendo o que?". Não preciso trocar minhas senhas. Falo com minhas amigas sem ter que ouvir uma tonelada. Não tenho mais minha vida pessoal discutida pelo "Clube das Mal Amadas". Além de passar mais tempo com minha família, ganhei outra, tão especial quanto a minha. Bebo minha cerveja tranquilamente sem ficar olhando no celular a cada 5 minutos. Não ouço críticas por fumar de alguém que fuma escondido (parei de fumar!!). Não sou escondido dos "amigos", sou apresentado normalmente. Assisto filmes bons, ruins, sem ter que ouvir discursos pseudointelectuais. Me sinto o melhor dos homens. 

E o melhor disso tudo,finalmente, sou paz e amor; sim, tenho muita paz e muito amor. 
Comecei a escrever este texto por perceber como eu tinha uma vida merda e achava que estava tudo bem. Tudo é uma questão de perspectiva, de como você encara sua vida. Se você se acha um merda, é na merda que você vai viver, vai se conformar com ela. Hoje, eu só vivo uma vida espetacular, porque é assim que me sinto, e porque a divido com uma pessoa espetacular. Alguém que é meu par em todas as horas, seja na chácara, no estádio, no cinema, no teatro, rindo dos agudos da Cláudia Raia, ou em casa, vendo Eliana e o Dr. Rey. 
Muito amor e muita cultura.